Plific

Vida de entregador já não seria fácil se fosse só realizar as entregas. Sair de casa pensando nos boletos, sem saber com quanto ao certo vai voltar no fim do dia, além da má alimentação, por causa do “corre”, já seria muito para ocupar a mente.Não bastassem essas tantas preocupações, o entregador ainda tem de administrar diferentes contas, de diferentes aplicativos, já que normalmente precisa atuar em várias frentes para dar conta da vida. Cada aplicativo com suas particularidades que, para quem não tem tanta intimidade com tecnologia, pode parecer um verdadeiro tormento.André Luiz, com 19 anos, menino do Rio, da zona Oeste, acostumado a ver dia e noite essa rotina de entregadores, os quais muitos deles são amigos pessoais, viu nessa situação uma oportunidade: facilitaria a vida dos entregadores unindo todos os aplicativos de bancos, de entrega, além de outros benefícios, como disponibilidade de crédito, em um só aplicativo bem intuitivo, o Plific.
"O que move é que as pessoas querem nossa solução. Ela já tá na rua. Depois de vários “não”, a gente tá recebendo vários “sim”, que tão fazendo a gente crescer."
       Viver é para quem tem coragem. E o André tem. Em tudo, ele vê uma oportunidade de melhorar sua vida e a das pessoas ao seu redor, está sempre pensando no coletivo, em transformar a realidade onde vive.        

Morador da zona Oeste do Rio de Janeiro, entre Senador Camará e Campo Grande, ele presencia uma realidade muito dura, para a qual muitas pessoas fecham os olhos. Para muitos moradores, o desejo de nem abrir os olhos e se levantar da cama é um fato, mas quem mora na periferia não tem tempo para viver de vontade; a luta empurra o morador da cama. No caso de André, além de não ter tempo para ceder às vontades, manter os olhos abertos é uma decisão diária.

"Eu decidi viver com os meus olhos abertos e ver na dificuldade uma nova oportunidade de mudar a vida de alguém."

Impacto social corre nas veias de André e de seu sócio, que são de realidades semelhantes. O primeiro empreendimento que criou com intuito de impactar socialmente foi o QR Culture, uma startup que tem como objetivo democratizar o acesso à cultura pela tecnologia, em especial, a cultura do grafite. Muitos artistas tiveram visibilidade e puderam divulgar suas obras por conta da startup.

A ideia de criar a Plific foi de um amigo, com quem já tinha empreendido no setor de entregas, que sugeriu abrir uma fintech. Ele achou que seria interessante fundar uma operadora voltada para os jovens da região onde morava.

De julho de 2020 até a criação, de fato, da fintech, foram muitos percalços! Testaram várias possibilidades, validaram algumas soluções e, em meio ao processo de criação, eles se viram apaixonados pela solução, viram que tudo fazia muito sentido.
A gente, hoje, é uma carteira digital de sincronia de conta, onde eles podem sincronizar as suas contas de aplicativo com as suas contas de banco. Isso vai ajudar eles a entrar no mercado de crédito e facilitar o aluguel de veículos ou outros benefícios do seu trabalho. O acesso ao crédito é o principal impacto. Renda e educação financeira também.
Mentorias como as de Gottschalk, da conta simples, e Alan Chusid, da Spin Pay, foram cruciais para traçar a rota da Plific de forma assertiva. Com o empreendimento, eles foram até a final da banca de empreendimentos do ProLíder, penúltima fase da Hack Brazil, além de terem passado para o Programa de Aceleração da Inovativa Brasil, de onde receberam investimento logo após a banca.

A gente recebeu vários "não" e muitos puxões de orelha, recebeu várias mentorias dentro do ProLíder, apanhava toda semana, e, pra gente, foi importante alavancar e entender qual produto inventar.

MENINO DO RIO        

André é menino só na idade. Esse carioca de 19 anos  já tem muita experiência para compartilhar. Mesmo com pouca idade, sempre se viu impulsionado a criar algo que pudesse trazer retorno financeiro para ele e a família.        

Como ele é da geração da internet, cresceu em computadores, interagindo em perfis sociais, como Orkut, jogando jogos on-line, como Warcraft, LOL.

No Ensino Médio, fez amizade com outro garoto da idade dele, que já jogava há um tempo, nas palavras de André, “jogava muito”. Esse colega o incentivou a criar uma conta no Facebook. Quando viu a possibilidade de criar páginas, viu uma oportunidade de negócio ali quando percebeu que crescia na mídia quem postava mais conteúdo regularmente.

Com dedicação aos conteúdos, quando atingiu a marca de dez mil seguidores, recebeu uma proposta de venda da página. Assim, ele começou a fazer páginas para vender. Já chegou a administrar contas com mais de um milhão de seguidores.        

Em 2016, em meio a esse embalo, André levou uma rasteira muito dura da vida; perdeu seu avô, que é o referencial de pessoa que ele tem, para um infarto fulminante, dentro da igreja que frequentava. Foram meses muito difíceis para ele. A velocidade de produção diminuiu consideravelmente, empreender já não fazia muito sentido para ele, estava sentindo a dor da perda de sua referência.

Em 2017, deu início a um curso de mecânica; no ano seguinte, participou de um evento de empreendedorismo na escola. O prêmio para quem vencesse seria a oportunidade de participar da Brazil Conference, em Harvard. Ele já estava voltando ao seu estado anterior de empreendedor.

Depois de vencer a competição no colégio, seu grupo participou de outra competição, com a final marcada para novembro de 2018. Nesse momento, ele já estava de volta, a todo vapor. Em dezoito dias alcançou a marca de 10 mil seguidores no Twitter, artistas compartilharam suas publicações e, na final, eles venceram! O grupo foi para a Brazil Conference, e a vida dele nunca mais foi a mesma.

Em 2019, entrou no ProLíder, que conheceu através da Crescere, um empreendimento que também saiu do programa, participou de alguns projetos sociais, e a Plific chegou para coroar essa trajetória de muito esforço e dedicação.

FUTURO DA PLIFIC

Atualmente, as soluções do aplicativo estão voltadas para entregadores. Em um futuro próximo, seu desejo é que a PLific seja a solução financeira dos entregadores e motoristas de app.

A gente quer realmente ser a solução financeira, dando benefícios e dando uma qualidade de vida justa.

Seu desejo é inspirar outros jovens de sua região a seguirem seus passos. ele não vai parar de empreender.

Como ele mesmo disse, “vocês vão me ver muitas vezes”, pois deseja ser o próximo David Velez.

O ProLíder é uma realização do Instituto Four.