Mapa das Desigualdades

A desigualdade social ainda é um fantasma que assola o Brasil. Em um país de dimensões continentais e com realidades tão distintas, a quantidade de dados populacionais gerada é ainda maior. Não é algo simples de se resolver, e qualquer intenção de fazer isso se torna ineficaz se o problema não estiver claro e seus pontos não estiverem muito bem delineados.

O Mapa das Desigualdades é a ponta inicial da extensa linha que tece o desenho do desafio. Seu objetivo é cruzar bases de dados de registros municipais com informações geográficas para mostrar, com precisão, onde a vulnerabilidade social se apresenta em uma cidade.

Esse mapa é uma estratégia de vigilância socioassistencial que busca contribuir para aumentar a eficiência de processos dentro de municípios que, muitas vezes, têm poucos recursos para elaborar grandes políticas públicas e, justamente por isso, precisam saber quais serão as mais efetivas e que trarão os melhores resultados.

”A realidade no Brasil é muito diferente da bolha em que eu vivo.”

Essa frase foi eternizada pela TopView, quando Lucas Kogut, participante do ProLíder 2021, foi indicado a destaque de ativista social do ano, em 2018, momento em que era gestor da TETO. Lucas sempre teve seu coração voltado para melhorar a vida do outro. Seu histórico, em multinacionais, trabalhando com planejamento estratégico, e sua paixão por solucionar problemas de gestão pública o levaram a pensar na melhor forma de pensar políticas públicas, aliando dados e tecnologia para a realização de projetos com mais precisão e eficácia.Hoje é o responsável pelo Mapa das Desigualdades, atuando como Diretor de Planejamento e Vigilância Socioassistencial do município de Rio Branco do Sul.
CASE DE APLICAÇÃO: RIO BRANCO DO SUL

O município de Rio Branco do Sul é um município parecido com muitos outros que existem no Brasil: é uma cidade com menos de 50 mil habitantes, sendo que 44% das pessoas que moram lá estão em situação de extrema pobreza, pobreza ou vulnerabilidade à pobreza. Além disso, o município não possui recursos sobrando para poder executar grandes políticas públicas para resolver os problemas sociais que enfrenta.

Logo, não há insumos básicos que subsidiem o dimensionamento, a formulação e o orçamento adequados de políticas públicas que promovam, de maneira efetiva e eficiente, a redução das desigualdades sociais em Rio Branco do Sul.

Com isso, Lucas, dentro da prefeitura de Rio Branco do Sul, realizou um projeto de organização das bases públicas de dados disponíveis sobre o município e realizou a primeira versão de sua solução: uma plataforma que permite visualizar, de maneira clara, onde os problemas sociais se concentram em Rio Branco do Sul.
VIABILIDADE TÉCNICA E ESCALABILIDADE PARA REALIZAÇÃO DA PLATAFORMA

O projeto apresenta um enorme potencial, não apenas pelo benefício que pode gerar para Rio Branco do Sul, mas também para outros municípios. Com a mesma metodologia aplicada na cidade, é possível gerar visualizações em nível estadual e nacional do Mapa das Desigualdades, bastando alterar a base de dados que o compõe. Em termos orçamentários, o município pode utilizar os recursos do Índice de Gestão Descentralizada (IGD-M) para custear serviços de qualificação da gestão de dados do Cadastro Único, cujas transferências mensais são de R$ 9.032,15.

O sonho de Lucas é ajudar a realizar a transformação digital nos entes federativos brasileiros, permitindo que as prefeituras, os estados e a União saibam, de maneira efetiva, onde os problemas sociais se encontram e como atacá-los da melhor maneira.

O ProLíder é uma realização do Instituto Four.