BeUni: Ajudando pessoas e empresas a se conectarem

Quanto vale o seu tempo? Quanto custa ter por perto alguém satisfeito e conectado com você? Essas são duas perguntas muito importantes para qualquer pessoa que deseja se enveredar pelos caminhos do empreendedorismo.

Algumas coisas não têm preço, por não serem palpáveis, passíveis de serem compradas, mas tem muita gente se especializando para criar ou gerenciar uma empresa com uma estrutura tão bem montada que possibilite às pessoas dar atenção ao que realmente é importante: realizar conexões entre si e ter tempo para estabelecer e desfrutar dessas conexões.

Apesar disso, ainda existe uma parcela bem grande de gente muito bem qualificada fazendo trabalho de Sísifo por desejar mimar seus colaboradores ou clientes com algum brinde personalizado, mas sem um sistema de logística eficiente para a realização dessa tarefa.

Felipe Moreira, ProLíder 2020, junto com mais quatro jovens, conseguiu enxergar nesse nicho uma oportunidade única de otimizar todo o trabalho braçal com uso de tecnologia, deixando, para empresas, colaboradores e clientes, mais tempo para criar melhores conexões e priorizar tarefas que os levem aos seus propósitos de vida.

Aos 21 anos, a sua empresa já foi comprada por R$ 7 milhões

FELIPE MOREIRA

Pense em uma pessoa que realmente se dedica, em todo momento, a evitar desperdícios. Apesar da pouca idade, aos 21 anos, Felipe já mostrou a que veio.

Estudante na Universidade de São Paulo, campus São Carlos, com 18 anos, ele empreendeu, pela primeira vez, criando uma empresa que tinha como objetivo reduzir o desperdício de produtos orgânicos.

Com esse empreendimento, teve muitos aprendizados. Passou por um estágio na área de marketing em outra empresa, e seria efetivado com um salário quatro vezes maior do que o que tinha como estagiário, mas preferiu se arriscar novamente empreendendo.

Assim, cofundou a startup BeUni, que tinha como objetivo digitalizar o mercado de produtos personalizados, reduzindo o desperdício de tempo em processos demorados e arcaicos.
“Com que tipo de informação eu consigo atuar, de um dia para o outro, ou no mesmo dia, para conseguir reduzir meu consumo de energia? Então, hoje, a nossa plataforma mostra dados em tempo real [...], provê informações para tomada de decisão, coisa que uma conta de energia não faz, e só te mostra informação mês a mês, então você não consegue tomar decisões.”
ENXERGANDO OPORTUNIDADES

A BeUni é uma plataforma de logística de compra, armazenamento e envio de brindes e produtos personalizados. A empresa foi fundada com o objetivo de ser o melhor lugar para comprar, armazenar e enviar brindes e produtos personalizados para a América Latina.

A empresa nasceu de forma a atender universidades e se tornar o maior marketplace de produtos universitários do Brasil, inspirando-se no que acontece nos Estados Unidos: as instituições de ensino americanas se tornam grandes marcas, não só no quesito educação, mas também na produção e fornecimento de materiais, aumentando a valorização das organizações e gerando maior identificação com elas e seus cursos. Esse é um negócio que fatura, anualmente, bilhões de dólares no exterior.

Diante de tantas transformações dentro e fora das empresas, na era digital, em 2020, Felipe e seus sócios perceberam que o segmento de produtos personalizados, em todo seu processo, no Brasil, estava ficando para trás, com uma cadeia de produção e distribuição ainda do século passado.

Inicialmente com foco no público universitário, a BeUni tinha como objetivo desenvolver tecnologia para o mercado de personalizados, além de criar infraestrutura básica para fomentar a parte física do negócio, de modo que o cliente pudesse fazer tudo de forma fácil e intuitiva, em um lugar só, ficando a cargo da BeUni toda a logística do produto.

Apesar de sua atuação dentro de Universidades brasileiras, Felipe e seus sócios perceberam que essa era uma dor em âmbito latinoamericano, que se propagava por todas as etapas, desde cotação, passando por produção, acompanhamento de produção, até a logística (recebimento, armazenagem e envio).

"A gente tá com uma série de setores sendo revolucionados com tecnologia, e o de brindes e personalizados não é um deles, então, a gente estranha muito a maneira como as pessoas compram brindes nos últimos dez, vintes anos, que praticamente não mudou."

Na BeUni, eles perceberam que as empresas têm um custo muito maior se fizerem todo o processo à maneira tradicional. Era um setor com potencial, mas sem tecnologia.
A PIVOTAGEM

Com o empreendimento em crescimento constante, a BeUni começou a ser procurada por muitas empresas, que queriam fazer uso da plataforma deles para encomendar seus brindes, mas, na época, isso não era possível.

Empresas tinham dificuldades de encontrar brindes; quando encontravam, tinham dificuldade de comprar, porque o processo era muito demorado, muito arcaico, e, pior ainda, quando chegavam na parte de entrega.

Diante do considerável aumento na demanda corporativa, eles fizeram um MVP e disponibilizaram para algumas empresas. O empreendimento engrenou, visto que a procura por parte das empresas é exponencialmente maior do que a de universidades. E a razão é bastante óbvia:

Uma diretora de RH, por exemplo, de uma empresa grande, [...] pessoalmente recebia caixas e caixas de produtos em casa, empacotava cada um deles e enviava, pelos Correios, aos colaboradores, gastando, além do tempo, que é muito valioso, um recurso financeiro gigante, já que as empresas nunca contavam com descontos, pegavam aquela tabela-padrão dos Correios.

Nesse cenário, depois de receberem muitos feedbacks de mentores importantes e reformularem seu plano de negócios, eles fizeram a pivotagem, no início de 2021, para o público corporativo.

NO PAIN NO GAIN

Felipe e seus sócios sempre foram incansáveis na busca de melhorias para o seu negócio.Buscaram mentorias e feedbacks para aprimorar o empreendimento, participaram de inúmeras maratonas de startups, e uma dessas maratonas foi a da USP São Carlos, na qual ganharam o primeiro lugar, rendendo a eles um prêmio de 10 mil reais.

Esse valor foi suficiente para dar início à empresa. Foi o primeiro apoio financeiro que recebeu. No ProLíder, pôde redesenhar o projeto com a ajuda de muitos mentores, momento em que realizou a pivotagem para o público corporativo.

Além de estar sempre maratonando para galgar novos espaços para a BeUni, eles precisaram vencer algumas dificuldades.

Uma delas foi encontrar pessoas boas o bastante para estarem à frente de algumas áreas importantes; poderia ser fatal para a empresa ser dirigida por mãos erradas. Outra, foi elaborar e desenvolver uma empresa com uma tecnologia completa e robusta, mas, ao mesmo tempo, simples e de fácil utilização pelo usuário, e ainda é um desafio encontrar esse equilíbrio.
LOUROS COLHIDOS
Depois de participar de várias maratonas de startups, a BeUni foi inscrita no Hotmart Challenge, um desafio para startups que estão em início de jornada.

Foram 600 startups inscritas. A BeUni foi escolhida, não para receber investimento, como outras receberam, mas para ser comprada por R$7 milhões pela Hotmart Global, visto que se tratava de uma solução inovadora que fazia total sentido para a Unicórnio.

Isso deu uma visibilidade incrível para eles, além de ter se tornado um ambiente muito propício para aumentar seu faturamento, seu time, que, hoje, conta com 11 pessoas, mas já com perspectiva de aumento nesse número. Até o momento, eles estão conseguindo manter a consistência no crescimento.

O próximo passo é aumentar o time de forma estratégica, já que, com a recente aquisição da Hotmart, passarão a ter acesso a uma base de clientes gigantesca.

Esses jovens promissores estão trabalhando arduamente para que a BeUni seja a primeira plataforma de “swag as a service” (brindes como serviço), atuante não apenas no Brasil, mas em toda a América Latina, fazendo a gestão de produtos personalizados e brindes em um mesmo local - desde orçamento, compra, armazenamento desses produtos, até o envio em massa. Alguém tem dúvida de que vão conseguir?


Conheça a BeUni

O ProLíder é uma realização do Instituto Four.